Sete dicas para abrir uma empresa

Toda boa idéia é possível de ser viabilizada se alguns passos forem observados. Todo empreendedor, ao abrir o seu próprio negócio, deseja obter retorno do investimento em curto prazo, mas é necessário trabalho árduo e paciência para tornar o empreendimento viável e bem sucedido.

Abrir e gerir uma empresa exige um conjunto de habilidades e conhecimento. O primeiro passo é definir em que mercado gosta de atuar. Para um negócio ser bem sucedido, o empreendedor tem que gostar do que faz e pensar sempre neste negócio. Para facilitar, elencamos sete dicas que podem contribuir na tomada de decisão com relação a abrir ou não seu próprio empreendimento.

1. Buscar equilíbrio entre emoção e razão – Viabilizar ideias por meio de um planejamento, para que o negócio seja bem sucedido. Muitas vezes é necessário deixar a emoção de lado e investir em um processo realista e racional de avaliação, na busca de informações estruturadas para realizar o investimento. O negócio não é para o empreendedor é para o mercado.

2. Ter clareza no ramo de atividade – Colocar a ideia no papel para avaliar se o negócio escolhido é rentável ou se dará prejuízo. Para isso, pode ser utilizado um instrumento simplificado, chamado Plano de Negócios, que auxilia passo a passo na construção do empreendimento, considerando os pontos essenciais que devem ser observados e registrados em finanças, marketing, pessoas e mercado.

3. Pesquisar o local de instalação – É necessário analisar o processo de escoamento ou venda da mercadoria, facilidade de acesso dos clientes ao local, estacionamento, distância entre rodovias, logística de transporte, sistema bancário, bem como todos os custos fixos envolvidos no imóvel para a instalação do empreendimento.

4. Estudar a legislação – É necessário observar todos os aspectos a respeito do empreendimento, como os impostos para a abertura e continuidade do negócio, a legislação trabalhista e tributária, os procedimentos específicos para a liberação do alvará de licença, pois alguns empreendimentos carecem de autorização do corpo de bombeiros, da vigilância sanitária e da prefeitura. Esses pontos precisam ser respeitados para evitar o fechamento do negócio por descumprir as normas técnicas.

5. Conhecer o mercado potencial – Realizar pesquisas e obter informações sobre o mercado potencial, a atuação da concorrência e seus fornecedores, as tendências e novos nichos de clientes, são fatores muito importantes antes do empresário colocar um novo produto ou serviços no mercado e investir seus recursos. Sem atentar para estas análises existe grande possibilidade do negócio não obter resultados significativos no prazo previsto e estar fadado ao insucesso em curto tempo.

6. Cuidar das finanças – Possuir conhecimentos básicos para fazer um plano de investimentos que abrange a previsão de faturamento, cálculo dos custos fixos e variáveis e a previsão de resultados (lucros e prejuízos), bem como garantir reservas financeiras e evitar grandes dívidas para conseguir equilíbrio nos dois primeiros anos. Compreender que empresário, isto é, o dono ou os sócios, não recebem salário mensal como os empregados e que as retiradas mensais da empresas precisam ser controladas e de acordo com faturamento e a necessidade de recursos para novos investimentos.

7. Identificar o perfil para empreender – Pesquisas demonstram que quanto maior o conhecimento do empreendedor e as experiências por ele vividas, na área ou em atividades similares, maiores serão as chances de sucesso. O conhecimento advindo de atividades práticas ou estudo regular são fatores que auxiliam na definição do foco do negócio e na sua expansão ou crescimento. Antes de abrir o negócio, também é necessário refletir sobre o perfil do empreendedor com sua capacidade de persistência e tenacidade para ir em frente sem desistir no primeiro obstáculo dos muitos que terá que enfrentar nesta jornada.

A Marina Contábil possui vasta experiência em serviços de departamento contábil, fiscal e de legalização. Entre em contato conosco para saber mais.

Fonte: Jornal Comércio Informativo


« Voltar